O Brasil e seus heróis anônimos nos esportes. Brasileiros brilham na El Origem

Written by Marcelo Belotti
Jornal Empoderado

Atletas mostram superação e dificuldades em um torneio de trail run na Patagônia

A sociedade brasileira ao longo dos anos deixou de investir em educação e leitura. O resultado foi a má formação de cidadãos e a proliferação da violência, da desigualdade além de outros males sociais. Destacam-se sempre exemplos de dedicação e superação.

O exemplo são os atletas que disputaram um torneio de trail run realizado na Patagônia (Argentina e Chile). Superação em desafios nas corridas de montanhas. O primeiro dia de competições foi no Parque Aconcágua na Argentina, o segundo dia foi no Cristo Redentor de Los Andes (Fronteira com o Chile), o terceiro dia foi em Glaciar Juncal (Chile). Como estamos no verão, as temperaturas variam entre 17 a 20º podendo chegar  a 4º a noite.

A equipe que representou o Brasil em 2018 contou com poucos recursos e de nenhum apoio institucional. Surgiram os exemplos de superação, como a atleta Moniqui Agnes. Acompanhamos todo o circuito em seu perfil no facebook, desde a chegada até a consagração. Seguem os momentos:

Chegada: O primeiro dia é como um sonho se realizando… “Coração transbordando de gratidão, felicidade e bênção!!”

Começando o primeiro dia de competição, e com ele a dificuldade que pode ser vivida pelo relato de Moniqui…  “Foi um percurso fácil, mas extremamente desafiador, devido a altitude. Não conseguia respirar e a frequência cardíaca lá em cima. Mesmo com a mente mandando os comandos para o corpo, a montanha te comanda e dita o ritmo. Foram 11,68km percorridos em pouco menos de 1:30h, com muito foco, concentração, garra, condicionamento mental e dificuldade em respirar.

Liderei a prova até o km 9 onde fui ultrapassada por uma atleta argentina, fechando este primeiro dia como 2a colocada. Jamais me imaginei competindo fora do país e em uma prova de Montanha como esta, representando os brasileiros. Ter feito o percurso com a torcida de outros atletas gritando meu nome ao passar por mim me deixou energizada e me sentindo abençoada em viver toda essa aventura.”

O exemplo de superação foi compensado no relato da chegada. Moniqui relatou: “Chorei ao cruzar a linha de chegada e ser recebida pela Luara Albanese, que quando a abracei, tive o sentimento de estar abraçando todos que estão na torcida.”

Essa foi a emoção do primeiro dia. Muito mais ainda estava por vir…

Segundo dia de competição, Cristo Redentor de Los Andes … mais emoção e superação no seu relato: “Hoje foi dia de encarar esta paisagem surreal a 4000mt de altitude, seguindo por um percurso de 9,17km de muita descida técnica. Muuuuuitas pedras por todo o percurso, muuuuuita terra, muuuuuito vento, frio, escorregando por boa parte da descida, saltando, caindo e levantando para sair voando e manter o ritmo por toda a prova. Amei receber toda a energia desta montanha onde largamos na Argentina e cruzamos a linha de chegada no Chile.

Cruzei a chegada uns 3 segundo após a primeira colocada. Fizemos hoje todo o percurso juntas e achei maravilhoso vivenciar essa experiência em ter uma incentivando a outra. Segundo dia de prova, Segundaa colocada na geral feminina da categoria dos 30km e transbordando de felicidade e gratidão. Acreditem! Não é NADA fácil correr na montanha. São diversas tomadas de decisões a serem tomadas, que podem te te levar a glória, ou fazer você botar tudo a perder.”

Terceiro dia de competição: o sentimento cada vez mais intenso, a superação e a consagração da vitória na terceira etapa, em Glaciar Juncal. O resultado veio com a consagração da vitória na terceira etapa. O relato foi emocionante: “Talvez, nem nos meus melhores sonhos, tenha sonhado com um momento tão incrível e inesquecível como este e em um cenário assim. Subir ao pódio como primeira colocada da distância de 30km da prova na categoria geral feminina, não foi nada fácil encarar este desafio, desde que tomei a decisão em me inscrever para esta aventura.”

A vitória não se resume em subir ao pódio na primeira colocação, mas a vitória de Moniqui veio desde a inscrição na prova, e a cada momento que foi vivido. Esse é o exemplo de como o esporte forma o cidadão, com lições de perseverança, de espírito de equipe e de cidadania. Moniqui confirma isso em seu relato: “Cada não que recebi ao longo destes meses, trouxe-me para este SIM e me sinto orgulhosa de ter sido capaz de realizar cada pequena vitória diária. Se foi fácil? Obviamente que não! Foi uma construção ao longo de 162 dias com muitas adversidades, muitos obstáculos, muitos aliados e pessoas torcendo contra também. O potencial que existe dentro de nós é infinito, basta a gente acreditar e se permitir expandir nossos limites.”

foto:  Moniqui Agnes

Parabéns aos brasileiros que participaram dessa experiência e a todos que de uma forma ou de outra contribuíram para a realização desse evento. Isso certamente é mais do que um esporte. É espírito de equipe, exemplo de perseverança e de cidadania. Parabéns Moniqui.

Deixe uma Resposta

Imagens

Entrar | Desenvolvido por STI Esporte